REVENDO PORTUGAL

Desta vez, encontro-me em Portugal, a caminho de Espanha e França. Esta é a terceira vez que venho aqui, agora, na companhia de minha esposa, Elisalva Madruga Dantas, e dos casais Chico (Denise) Viana e Haroldo (Maria Alice) Serrano. Portugal, apesar da crise, continua apresentando feições diferentes de alguns anos atrás. Tudo parece mais bem organizado, as coisas, incluindo a alimentação, estão mais acessíveis. Dizem que é por conta da crise. Pelo menos como turistas, estamos satisfeitos. Temos revisitado os melhores e mais conhecidos pontos turísticos por conta de nossos amigos, que vêm aqui pela primeira vez. Amanhã, partiremos para  Madrid. A meus amigos blogueiros, desejo muita paz, saúde e felicidade. Aos que nunca viajaram para essas bandas, que o consigam um dia. Grande abraço a todos.

Hoje, desejo homenagear uma poeta das boas. Fátima Barros é o seu nome.

Fátima Barros é poeta pernambucana, autora do livro  DISCURSO DAS ÁGUAS. Segundo a profa. Elisalva Madruga Dantas, "O jeito manso de ser de Fátima Barros transborda de modo surpreendente em seu discurso das águas, onde por ela somos levados a navegar em um oceano de ideias expressas de modo hábil, preciso, lúcido, lúdico como só quem tem o domínio do verbo sabe fazê-lo.

Já para o poeta Sérgio Castro Pinto, "Fátima Barros - e a palavra é barro! - sabe moldar a palavra, pois, não a soubesse, os seus poemas de amor teriam tudo para se tornarem tão ridículos quanto o são todas as cartas de amor, segundo o poeta do "rio de minha aldeia". Ocorre, porém, que, mesmo sendo o amor o núcleo temático da maioria quase absoluta de seus poemas, nem por isso ela lança mão da linguagem de forma apaixonada. Antes pelo contrário, apenas entreabre as comportas da emoção. E, pingo a pingo, acumula o dilúvio de uma dicção contida, que se espraia sobre todos nós. É o lirismo coletivo, o eu plural, fio de um rio que se origina na individualidade de uma nascente e que termina transbordando na foz dos seus leitores".

Eis uma amostra:

canção matinal

a lenha dos sonhos

aquece o lençol

e os cômodos.

a cama é um barco

em calmaria,

ao som do piano.

a sombra da cortina

tece o sol

em teus ombros.

a maresia

abriga um pássaro

na pauta do sono.

 

composição

procuras em meu corpo

notas náufragas.

acordas na partitura

o tom de regatas

navegas argonauta

as cordas do porto

resgatas em meu rosto

a brandura da pauta.

 

 

trilha

 

cansaço

de retirantes.

silêncio

de cactos.

a fome e sede,

o rebanho dos sonhos.

longe um rio

itinerante, raso.

 

                       (De Discurso das águas, João Pessoa, Manufatura, 2006)

 

NO CARNAVAL DE UMA CIDADE SEM CARNAVAL, O MELHOR É CURTIR UMA PRAIA GOSTOSA DE SOL E DE APETITOSOS CARANGUEJOS.

           CONCHEGO

no ócio,

o cio...

no silêncio,

quase barulho -

suspiros,

sussuros -

amantes

soçobrando

sob os lençóis...

(Poema de Francisco Dantas, março de 2011)                          

JÁ SE APROXIMAM AS FESTAS DE FINAL DE ANO. 2010 PASSOU DEMASIADAMENTE RÁPIDO. POR ISSO, ANTES QUE ACABE, DESEJO A TODOS UM FELIZ NATAL, UM PRÓSPERO ANO. BEIJOS, ABRAÇOS E VOTOS DE UM EXCELENTE ANO!!!

ESTE FOI UM ANO  SURPREENDENTEMENTE RÁPIDO. TAMBÉM, COM TANTO CARNAVAL, PRORROGADO COM COPA DO MUNDO, COM ELEIÇÕES AMPLAS. E O CIRCO FOI ARMADO, O PÃO FOI DISTRIBUÍDO E AQUI ESTAMOS NÓS. UNS, POR DEMAIS FELIZES COM AS BOLSAS-FAMÍLIA, COM OS EMPRÉSTIMOS COMPULSÓRIOS AOS APOSENTADOS, PARA LUCRO DOS BANCOS E INFELICIDADE DOS VELHINHOS; OUTROS IGUALMENTE FELIZES COM A CONTINUIDADE DAS POLÍTICAS DO GOVERNO QUE SAI, IMPONDO À PRESIDENTE QUE ENTRA OS MESMOS NOMES DAS FIGURAS TARIMBADAS NO FAZ DE CONTA DE QUE O PAÍS ESTÁ UMA "MARAVILHA", COM ÍNDICES DE PRIMEIRO MUNDO (QUE MUNDO?). O SUS É UMA MARAVILHA, O ENEM É MODELO DE ORGANIZAÇÃO E EFICIÊNCIA, EM CADA ESQUINA, UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO. E POR AÍ VAI. NINGUÉM PRECISA FUGIR PRA PASÁRGADA, SE O REI MORA AQUI, SE AS GRANDES POTÊNCIAS TEMEM O NOSSO PODERIO BÉLICO E INTELECTUAL? NÃO HÁ LUGAR PARA DESÂNIMO. SOMOS CREDORES DO FMI, A NOSSA DÍVIDA PÚIBLICA É IRRISÓRIA. VAMOS PRA FRENTE, QUE DEUS ESTÁ COM A GENTE. ELE É BRASILEIRO.

             VIAGENS

 

Viajas

Pra bem distante

E, de volta, não me encontras,

É que eu, também,

A contragosto,

Viajei pra longes terras,

Pra lá de longe, de muito longe,

Pra lá do além, pra lá da alma,

Sem resquício algum de matéria,

A conquistar apenas a saudade

Do que um dia fui a teu lado...

 

(POEMA DE fRANCISCO DANTAS, DEZEMBRO DE 2010)

DESTA VEZ, SEGUE UM POEMINHA QUE NÃO SEI SE JÁ FOI POSTADO, ELE INTEGRARÁ O MEU PRÓXIMO LIVRO, QUE ESPERO LANÇAR NO INÍCIO DO PRÓXIMO ANO. UM GRANDE ABRAÇO A TODOS.

 SORRISO

 

Teu sorriso:

Marotice

De um anjo

No abismo

De mistérios

Do meu ser.

 (Poema de Francisco Dantas, agosto 2010)

 

UM DRINQUE AOS QUE RETORNAM

            UM DRINQUE!

                          

Cante um blues

E o meu coração

Te possuirá

Para sempre.

Toque um blues

E a paixão dedilhará

Todas as notas

Dos graves mistérios

Dos nossos corações.

Bebamos um blues

E, entre nós, jamais haverá

Compassos de espera...

(Poema de Francisco Dantas, 2010)

E VIVA 2010

E aqui estamos já no final do primeiro mês do ano. Um mês já carregado de desastres, terremotos, enchentes, corrupções brabas. Torçamos que as coisas melhorem a partir de fevereiro. O ano promete ser mais de circo do que de trabalho. Vem aí o Carnaval, a Copa do Mundo, as eleições pré-manipuladas pelos políticos, pelo governo com seus programas assistenciais de compra de votos, e assim por adiante. Que saibamos fazer nossas escolhas no sentido de melhoramos nossas consciências e dar um basta no que é pernicioso. É isso aí. Vamos à luta! Grande abraço para todos. E que permaneça viva a poesia.

 

                 TEMPO  V

 

Um sorriso,

Nada mais que um sorriso –

O brilho em teu olhar –

Felicidade a longo prazo...

 

(Poema de Francisco Dantas, janeiro 2010)

 

COMO PASSOU RÁPIDO!

MEUS AMIGOS, COMO O ANO PASSOU RÁPIDO! POR UM LADO, ISSO FOI BOM, POIS NOS LIVRAMOS RAPIDAMENTE DO QUE NÃO QUERÍAMOS CONTEMPLAR DE RUIM, DE TRISTE, DE ESCANDALOSO EM NOSSOS CENÁRIOS, PESSOAL OU SOCIAL. POR OUTRO, FOI BOM, PORQUE NÃO SOFREMOS DE TANTA ANSIEDADE PELO QUE TÍNHAMOS DE CONQUISTAR, E CONQUISTAMOS.  Jóia O CERTO É QUE DESEJEMOS DIAS MELHORES, NOTÍCIAS MELHORES, DE NÓS, DE NOSSO LUGAREJO, DE NOSSO PAÍS E DO MUNDO.  Muito feliz TUDO DE BOM PARA TODOS VOCÊS, AMIGAS, AMIGOS, PARENTES, COM QUEM NOS RELACIONAMOS POR ESSE ANO QUE TERMINA; E QUE RENOVEMOS NOSSOS CONTATOS NO ANO QUE SE APROXIMA.  Jóia BEIJOS E ABRAÇOS. MUITO OBRIGADO PELO CARINHO, PELA AMIZADE. TUDO PELA PAZ E POR UM MUNDO LIMPO, CHEIO DE BELOS POEMAS, DE BELAS PROSAS, DE PENSAMENTOS POSITIVOS.  Piscadela ATÉ 2010.

A ONDA ESTÁ DEVAGAR, MAS ESTÁ INDO. ASSIM É MELHOR, POIS CADA ENCONTRO COM OS AMIGOS É MAIS SABOROSO. SAÚDO A TODOS.

UMA PONTA DE VAIDADE: "PARABÉNS, MEU AMIGO, CONTINUE A USUFRUIR ESSE DOM. SUA POESIA SE DESTACA ENTRE A PEDANTE POESIA CONCRETA E A POESIA SIMPLÓRIA DOS QUE QUEREM  FORÇAR O GRÃO POÉTICO EM TEXTOS LITERÁRIOS SIMPLÓRIOS".  De NILCE SANT' ANNA MARTINS, PROFESSORA DA USP, AUTORA DO LIVRO INTRODUÇÃO À ESTILÍSTICA.

                                            SE...

               

                        Se, nas flores, encontro perfume,

                        Se, no sol, eu encontro calor,

                        Por que, então, todo esse negrume

                        E, no peito, o espinho da dor? ...

 

                        Se, no dinheiro, eu tenho fortuna,

                        Se encontro nas artes a fama,

                        Por que, então, o vazio na alma,

                        Atoleiro da desesperança? ...

 

                        Se, no final, de minha aventura,

                        Eu puder alcançar teu amor,

                        Com certeza, feliz eu serei!

 

                         Do contrário, que haja mais dor

                         E que a morte arremate a tortura

                         De não ter o que mais desejei.

 

(Poema de Francisco Dantas, outubro de 2009)

 

DIA NACIONAL DO IDOSO

 

 

 

HOJE, 1º. DE OUTUBRO, É DIA NACIONAL DO IDOSO.  EM SUA HOMENAGEM, TRANSCREVO ABAIXO UM TEXTO QUE DEVE CALAR FUNDO NO CORAÇÃO DE QUEM SE RELACIONA COM AQUELES QUE, DEPOIS DE CERTA IDADE, MAIS MERECEM ATENÇÃO, CARINHO E COMPREENSÃO.

 

                           

                         MENSAGEM DO IDOSO

 

Se meu andar é hesitante

e minhas mãos trêmulas, ampare-me.

Se minha audição não é boa, e tenho de me

esforçar  para ouvir o que você está dizendo,

procure entender-me.

Se minha visão é imperfeita

e o meu entendimento escasso,

ajude-me com paciência.

Se minha mão treme e derrubo comida

na mesa ou no  chão, por favor,

não se irrite, tentei fazer o que pude.

Se você me encontrar na rua,

não faça de conta que não me viu.

Pare para conversar comigo. Sinto-me só.

Se você, na sua sensibilidade,

me vir triste e só, simplesmente partilhe

comigo um sorriso e seja solidário.

Se lhe contei pela terceira vez a mesma história,

num só dia, não me repreenda, simplesmente ouça-me.

Se me comporto como criança, cerque-me de carinho.

Se estou doente e sendo um peso, não me abandone.

Se estou com medo da morte e tento negá-la,

por favor, ajude-me na preparação para o adeus.

 

                              

                                 (Autor desconhecido)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(Texto transcrito por Francisco Dantas, outubro de 2009)  

 

   

 

 

MAIS UM NO MEIO DE UM SUFOCO LOUCO DE TRABALHO.

NEM SEI POR QUE INVENTEI DE ME APOSENTAR. Queria viver, como se diz popularmente,  apenas de flozô, curtindo o ócio. Numa boa! curtindo o meu blogue, visitando os amigos, fazendo meus comentários, degustando boas leituras, vendo o meu time ganhar ou perder, mas saboreando uma gelada... Qual o quê, hoje vivo mais do que atarefado. Tivesse eu patrão, já teria lhe cobrado umas férias, exiigido uma licença por esgotamento nervoso, etc., etc.  Tenho impressão de que nasci com vocação mais para o ócio do que para compromisso . Devo ter sangue baiano em minhas veias. Baiano não gosta de dormir porque "dá um trabalho danado acordar"! Mas, é isso mesmo, dizem que o trabalho enobrece. Será? Com certeza, os salário dos respeitaveis senadores, pois o povo não tem salário de que possa sentir-se enobrecido. Mas por que todo esse leriado? Simplesmente porque me sinto ausente a este meu espaço, e do qual não queria estar diostante.  Mas, fica este poeminha como sinal de que não  quero me afastar em definitivo deste espaço, nem das amizades aqui conquistadas. Essas linhas foram escritas em 24/08/2009. Hoje são 07/09/2009.

                SEQUÊNCIA

 

no quarto

na cama

no corpo

no seio

me deito

 

                              na boca

                              no tranco

                              nas coxas

                              no cio

                              me vicio

 

nas veias

no sangue

no corpo

no gozo

me explodo

 

                              no suspiro

                              no relaxo

                              me estiro e

                              serenamente

                              adormeço

 

(Poema de Francisco Dantas, setembro de 2009)

NOSSA HOMENAGEM A EUZA NORONHA, A LOBA

TRANSCREVO ABAIXO ENTREVISTA PRESTADA POR MIM A EUZA NORONHA, NOSSA GRANDE AMIGA LOBA, NOS TEMPOS DO PALIMPNOIA. É UMA FORMA DE EVOCAR ESSA GRANDE FIGURA DO MEIO BLOGUEIRO, CONHECIDA COMO, ALÉM DE POETA, CONTISTA, CRONISTA, GRANDE MESTRA NA ARTE DE PROMOVER UMA INTERAÇÃO DE QUE SURGIRAM LIVROS PUBLICADOS, CONGRAÇAMENTOS E RELACIONAMENTOS FRUTÍFEROS EM TERMOS DE AMIZADES E DE CRIAÇÕES INTELECTUAIS. HOJE, A LOBA SE ENCONTRA AFASTADA, RESERVANDO-SE A VISITAS EVENTUAIS A SEUS AMIGOS BLOGUEIROS. A ELA A NOSSA HOMENAGEM, A NOSSA AMIZADE E A NOSSA ADMIRAÇÃO.

  

 ENTREVISTA

 

- O que é poesia para você? E qual a função dela no mundo contemporâneo?

Para mim, a poesia é um meio especial de que o indivíduo dispõe para a expressão de sua subjetividade. Neste sentido, vale a pena evocar-se o poeta Mário Quintana ao referir-se à poesia como manifestação da emoção, provocadora do impulso poético e transfigurada pela arte. Nessa transfiguração, encontra-se a verdadeira caracterização da poesia, que vale pelo conteúdo, mas que se valoriza, prioritariamente, pela forma.

Quanto à função da poesia no mundo contemporâneo, não se pode deixar de se reconhecer que nem o homem nem o mundo sobrevivem sem a poesia. A poesia, como a arte em geral, oferece ao mundo um meio de equilíbrio, de estabilidade, de valorização de sentimentos positivos, de busca de melhores anseios. O efeito terápico, catártico do exercício da composição poética faz parte da vivência humana, nas diversas etapas de vida. E se isto é bom para o indivíduo, é bom, então, para o mundo. Adélia Prado disse, certa vez, que se salvou pela poesia. Assim, acredito eu, o mundo também pode se salvar pela poesia.

 

- Como você vê a poesia contemporânea brasileira? Que autores você citaria?

Não é fácil falar sobre a poesia contemporânea brasileira, mesmo porque  a produção da contemporaneidade está em processo, não tem sedimentação. Em termos de história e de estilo de época, tem razão Fábio Lucas ao afirmar que, na fase atual da poesia brasileira, “o que se nota é um aspecto mais fragmentário”. E conclui por dizer que “o panorama da poesia brasileira contemporânea assemelha-se a uma imensa constelação de estrelas solitárias, cada qual com o seu brilho e a sua trajetória”.

Quanto a nomes, eu citaria, em suas diversas manifestações, Affonso Romano de Sant´Anna, Ferreira Gullar, Carlos Nejar, Adélia Prado, Marcos Accioly, o paraibano Sérgio de Castro Pinto, dentre muitos outros nomes firmados no cenário atual. Mas, ainda evocando Fábio Lucas, há dificuldade em se estabelecer qualquer classificação tendencial.

 

- Na sua visão, o que move alguém para o caminho da poesia? Existe algum ímã que atrai irresistivelmente? Ou seria um feitiço?

Segundo Roland Barthes, em Aula, “o homem é por si mesmo dramático, pois encena, cria, imagina e escapa do conceitual”. Talvez seja isto o que mova alguém para o caminho da poesia. Talvez esse ímã seja o impulso afetivo que leve o homem a querer expor o seu lirismo sob uma forma de linguagem revestida de aspectos estéticos valorizadores de sua expressão. Daí entender-se a razão de, sempre que aflora uma paixão, um sentimento muito forte, uma situação romântica, surgir o interesse em se expressar poeticamente. Também não é sem razão que predomina a poesia lírica. Isto, porém, não significa que a poesia deva existir como expressão de algo inconsciente, de pura inspiração, de fruto de um feitiço. A poesia deve materializar-se como uma forma resultante de elaboração, de escolhas, de burilamento, de soluções estilísticas pertinentes, de funcionalidade, de, enfim, trabalho. Ao contrário do que muitos pensam, o poeta trabalha a poesia. Em seu sentido etimológico, poesia significa criação, ação, fabricação, confecção, e tudo isso, redundantemente falando-se, implica trabalho.

 

- Um poeta já nasce poeta ou trabalha para sê-lo? E como seria este trabalho, além da constante leitura de poesia?

Ninguém nasce poeta. Mas creio que, na complexidade da máquina humana, o indivíduo pode vir à luz com, como se costuma dizer, um “pendor”, uma tendência para as artes e, particularmente, para a poesia. As circunstâncias vivenciais do indivíduo podem, então, acionar essa tendência à criatividade e favorecer o surgimento de um poeta. Mas o trabalho é importante, a leitura é importante, o domínio técnico é importante, a bagagem intelectual é importante. Enfim, é importante tudo aquilo que se some àquela tendência e faça com que o indivíduo possa progredir em sua expressão artística, em seu fazer literário, em seu fazer poético. A intuição pode ser importante, mas a expressão formal depende de fatores, de escolhas, de princípios que precisam ser descobertos, aprendidos e postos em prática conforme normas estabelecidas e, muitas vezes, até impostas pelo momento histórico, pela sociedade. E esse trabalho consiste, em se tratando de linguagem, no uso adequado de recursos lingüísticos pertinentes, eficientes, adequados ao que se pretende elaborar, uma vez que, na poesia, o prioritário está no enunciado, considerado, em sua estrutura material, como portador de um valor intrínseco, como sendo um fim. A genialidade não liberou as maiores expressões da arte universal da busca de melhores conhecimentos e de melhores técnicas.

 

- Como a poesia surgiu na sua vida?

Meus primeiros contatos com a poesia se deram, ainda na infância, como ouvinte de canções cantadas por minha mãe e por minhas irmãs. Gostava de ouvi-las cantar poemas musicados, como Meus oito anos de Casimiro de Abreu, Minha terra tem palmeiras de Gonçalves Dias, dentre outros. Havia também freqüentes contatos com os folhetos de cordel, muito fáceis de encontrar, de ler e de ouvi-los nas feiras do interior nordestino. Já como estudante, gostava de ler e reler uma famosa Crestomatia, que havia em casa, além da famosa Antologia Nacional de Carlos de Laet e Fausto Barreto. Nos anos de seminarista, nas séries mais avançadas, o estudo de poetas clássicos, portugueses, latinos e gregos, motivava o interesse pelo desconhecido. Como professor, a poesia já surge como objeto de estudo, de análise, de descoberta e de transmissão de técnicas observadas nos textos de autores brasileiros e portugueses. Como poeta, a poesia surgiu no anoitecer de um dia de maio de 1965, como estudante, em Fortaleza, quando fui invadido por um sentimento de nostalgia, ouvindo o barulho das correrias de um bando de crianças. Foi quando senti desejos de exprimir tal sentimento através de um poema, o primeiro (Vésperas), que está em meu livro Instantes Poéticos. Depois, vieram outros, em diversos momentos da vida; veio o primeiro livro; veio o contato com produções poéticas divulgadas na Internet. E a produção continua.

 

O escritor sofre a angústia da influência, você tem clareza das influências que a sua poesia sofre?

Não sofro essa angústia, pois, sinceramente, não tenho clareza de influências sofridas por minha poesia. É claro que, situando-se em determinado momento histórico, com leituras, estudos, contatos com obras de importantes autores, o indivíduo dificilmente escapa de marcar seu estilo com traços, consciente ou inconscientemente, herdados de outrem. Ao mesmo tempo, é possível que, em decorrência do chamado “espírito da época”, de que falava Karl Vossler, se constatem convergências de idéias, de pontos de vista, de traços lingüísticos em autores situados em um mesmo contexto histórico. Mesmo entre teóricos, isto é possível, como no caso do já citado Karl Vossler e Leo Spitzer, ambos alemães, situados em uma mesma época, e teóricos de uma mesma corrente estilística. Pelas semelhanças, Leo Spitzer era considerado discípulo de Vossler, sem nunca o haver sido. Havia afinidades, mas, pela falta de contatos, de um com o outro, não seria conveniente falar-se em influência. Em meu modesto caso, é apontada uma influência explícita de Manuel Bandeira, além de referências a influências recebidas de Mário Quintana, e de outros. Fico contente, pois creio que isto só valoriza o que tenho feito. Antes que sofrer, alegro-me.

 

- Você é um poeta que mantém blog e uma relação de proximidade com seu leitor. Existe algum ganho, em termos de crescimento poético, nesta troca com o leitor? Que tipo de influência ele pode ter sobre a sua poética?

O blog favorece essa relação de proximidade com o leitor. E sempre existe algum ganho nessa interação, que deve influir no crescimento poético de alguém. Tudo depende de como se dá esse relacionamento e com quem ele se dá. Há pessoas que freqüentam o blog, que demonstram terem lido o seu texto com interesse, e tecem comentários de natureza crítica que podem despertar a atenção do autor para algo que possa ou deva ser melhorado, ou evitado. Se não fosse assim, não haveria quem, antes de publicar um livro de poemas, apresente-os ao crivo dos freqüentadores de seu blog. Além disso, pode-se perceber uma atitude de admiração, de seriedade e, sobretudo, de respeito, decorrente, com certeza, do reconhecimento da qualidade de seus textos. Do contrário, o poeta blogueiro se vê isolado, terminando por encostar o espaço, por cancelar o blog , e por sair dizendo por aí que blog é coisa fútil, espaço de bajuladores. É claro que há muitos espaços mal aproveitados como, também, muitos espaços de pura badalação, de trocas de louvores, de improvisações, etc. Em meu caso, não improviso poemas na hora de postá-los, nem os faço pensando em publicá-los no blog. Publico-os, aí, simplesmente, como digo na apresentação de Meus Instantes Poéticos, para dividir com as pessoas minhas sensações e motivações estéticas; repassar a outros o sentimento de que a poesia é um dos meios mais expressivos, eficientes, de que dispomos para influenciar o outro, sobretudo na forma mais positiva, que é a da emotividade, da afetividade, da sensação estética.

 

(Entrevista de Francisco Dantas)

 

 

 

MINHA HOMENAGEM A UMA AMIGA E GRANDE POETA PAULISTA - SANDRA REGINA

onírico

 

Há noites tão distantes

em que teu corpo

entra no meu leito

como um poema perfeito

e brinca de rimar com meus sonhos...

Há noites tão brandas

em que teu corpo queima no meu

com palavras ofegantes

e deliro meu desejo mais intenso

que em teu corpo se perdeu...

Há noites tão extensas

em que penso no teu corpo

como se fosse meu

E silencio acreditando que pensas

no meu corpo sendo teu...

 

Sandra Regina, paulista, é poeta, autora de O Texto Sentido (São Paulo, Limiar, 2008), do qual transcrevemos o poema acima, prestando-lhe nossa homenagem. No dizer de Roseana Murray, “Os poemas de Sandra são feitos de carne e osso, são corpo, pergaminho, papel em branco, papel reciclado, rascunho, mata-borrão. São poemas-  porto onde o outro atraca, lança âncora, escreve, penetra, flutua.
Seu texto quer ser ilha e terra firme, quer dizer com palavras o indizível gozo. Para falar de amor, Sandra dança com a música concreta e líquida de todos os sentidos”.

Thelma Guedes, escritora e roteirista, assim se expressa a respeito do livroO Texto Sentido: “O Texto Sentido é uma voz febril de mulher dedicada ao amado, declarando sua fome de amor e exigindo que ele a ‘folheie sem fôlego’. Ao mesmo tempo, é poesia consagrada ao leitor, convidando-o a ‘visitar seus versos’, despindo-se de tudo, ‘sem limites’.  (...) Sem dar ouvidos ao poeta Rilke que desaconselha as poesias de amor, a hábil Sandra Regina comete sua ‘rebeldia poética’, derramando-se de amor e sensualidade, mas desnudando algumas faces ambíguas desse sentimento. A poeta registra, assim, um idioma próprio para o desejo”.  

 

Seus poemas podem ser apreciados no blogue Feita em Versos  - feitaemversos.blogspot.com, relacionado ao lado como um dos meus preferidos.

 

 

(Francisco Dantas, julho de 2009) 

 

NA SAUDADE DE MINHA MÃE, HOMENAGEIO TOOAS AS MÃES NESSE 10 DE MAIO

 

    AS VOZES DE MINHA MÃE

 

 

O tempo não consegue apagar de mim

A lembrança das brincadeiras

Da minha infância

Hoje entrelaçadas às vozes

De minha mãe.

São vozes saudosas

Prolongadas no tempo

A ecoarem em meus ouvidos:

- Meu filho, venha cá!

A ressoarem em meu coração:

- Meu filho, mamãe te ama!

O tempo passa, mas não apaga

A lembrança viva, em mim,

Das brincadeiras de minha infância,

Das veludosas vozes de minha mãe.

 

(Poema de Francisco Dantas. Instantes Poéticos, 2006, p. 25) 

DIA 28 DE ABRIL: MINHA HOMENAGEM AO DIA DA SOGRA.

      

  A FAMÍLIA

 

No outono, tenho sono.

No inverno, eu hiberno.

Na primavera, eis a Vera.

No verão, ouço trovão.

Faço verso, faço rima,

Isto não é condição.

Se quiser ter uma menina,

Só lhe faço uma exigência,

Não a chame de Idalina,

Muito menos de Efigênia.

Dê-lhe o nome Manuela

E terei amor por ela.

Amo a mãe e amo a filha,

Amo o tio e o irmão.

Amo o sogro e a cunhada.

Mas a sogra é uma facada,

É uma carta desnaipada.

Me desculpe, meu irmão,

Eu não vou nessa jogada,

Pois a sogra é um limão.

 

 

 

(Poema de Francisco Dantas, 2009)

 

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL , Nordeste , JOAO PESSOA , TAMBAUZINHO , Homem , Portuguese , Livros , Cinema e vídeo , Futebol
Outro -

 
Visitante número: